Preso em flagrante. Direito Processual Penal. Audiência de custódia. Entenda. CNJ. O que é audiência de custódia? Quem pode prender em flagrante?

Preso em flagrante. Direito Processual Penal. Audiência de custódia. Entenda. CNJ.

O que é audiência de custódia? Quem pode prender em flagrante?

Direto ao ponto: a prisão em flagrante pode ser realizada por qualquer um do povo. Isso mesmo. Qualquer pessoa pode e as autoridades devem prender quem está em flagrante delito. É o que estabelece o art. 301 do Código de Processo Penal:

DA PRISÃO EM FLAGRANTE

Art. 301. Qualquer do povo poderá e as autoridades policiais e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito.

Assim, quem está em flagrante delito, cometendo uma infração penal ou que acabou de cometê-la ou ainda, encontrado após perseguição com instrumentos etc que façam presumi-lo como autor, poderá ser preso por qualquer do povo e pelas autoridades.

Em suma, após a prisão em flagrante, deve-se cumprir algumas cautelas especiais, como comunicar imediatamente sua ocorrência ao juiz competente, ao Ministério Público e à família do preso ou pessoa por ele indicada (art. 306 do Código de Processo Penal).

Com o objetivo de garantir que presos em flagrante sejam apresentados a um Juiz de Direito no prazo de vinte e quatro (24) horas, no máximo, o Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo, o Conselho Nacional de Justiça e o Ministério da Justiça criaram o Projeto Audiência de Custódia para a criação de estrutura multidisciplinar nos Tribunais de Justiça que receberá presos em flagrante para uma primeira análise sobre o cabimento e a necessidade dessa prisão ou a imposição de medidas alternativas ao cárcere.

Resumindo, a audiência de custódia serve para analisar a legalidade, necessidade e adequação da continuidade da prisão ou da eventual concessão de liberdade, além de apurar eventuais ocorrências de irregularidades como tortura, maus-tratos etc.

É isso. Cheers. @ricardonagy.

Anúncios

Sobre ricardonagy

USP/PUC-SP. Bacharel em Direito PUC-SP. Pós-graduado em Direito Civil pela EPM-TJSP. Bacharel e Licenciado em Letras Inglês/Português USP. Pós-graduado em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação PUC-SP.
Esse post foi publicado em cidadania, curiosidades, direito, Direito Penal, Direito Processual Penal e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s